Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A inovação cultural no cinema: Steven Soderbergh

por Ana Gabriela A. S. Fernandes, em 02.04.17

 

 

Sexo, mentiras e vídeo foi uma pedrada no charco no cinema da década de 80. Minimalismo e simplicidade: poucas personagens, informação essencial através dos diálogos, cenas calmas e nunca monótonas. Um filme novo e refrescante, a lembrar os vídeos caseiros, com o profissionalismo de um realizador criativo.

Como todos os filmes inovadores, marcou o cinema a partir daí, tecnicamente e culturalmente.

 

As personagens principais são, elas próprias, complexas e pouco comuns. Ambos sensíveis e vulneráveis, facilmente magoados pelas personagens comuns, ela pelo marido e pela irmã, ele pela ex-mulher. Cada um deles lida com a sua própria solidão retraindo-se, refugiando-se no seu mundo (a casa): ela em constantes limpezas, ele filmando entrevistas intimistas a mulheres.

A perspectiva da vida deste voyeur antecipa a perspetiva de gerações posteriores: tudo o que tem cabe no carro, possuir apenas o essencial, simplificar a vida ao máximo. É uma personagem, ela própria, vinda do futuro. :) 

 

Para as personagens comuns o sexo implica mentiras e risco. É a aventura à custa dos outros, uma espécie de competição (a irmã), e o exibicionismo masculino (o marido). 

Nas personagens comuns o exibicionismo - voyeurismo é físico. Nas personagens incomuns é psicológico, a intimidade física é sugerida, fantasiada, há um espaço-tempo, um intervalo, onde pairam antes de mergulhar, e para mergulhar precisam de confiar, de saber que não vão ser magoados.

Ela liberta-o da sua solidão e receio onde se esconde e, ao libertá-lo, liberta-se da sua própria solidão e receio.

A cena final é como um respirar calmo, como um chegar a casa, e a casa já não é dentro de casa, é cá fora, à entrada, à luz do dia, um e o outro. Dizer isto em linguagem do cinema é magnífico.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:46


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D